Réquiem para Escritores Ingênuos

17:58 Lauana Buana Fidêncio 0 Comments



Há um dia em que os meninos crescem. Há um dia em que as raparigas desabrocham em flor e malícia. Há um dia em que um escritor se consagra no altar da autoaceitação. O dia da verdade será o dia em que aceitares que este é o teu deserto, escritor!



No dia clarividente em que acaso aceites que comunhão é o delírio dos insensatos. Posto que, em verdade, quando as horas mortas sufocam os delírios bovinos dos homens, a mesquinharia dos pares pulula mais exasperante que aqueles pirilampos desesperados sobre o dorso da mais escura das noites.


0 comentários: