Das Definições do Amor I

21:18 Lauana Buana Fidêncio 0 Comments




Sentou-se, pois sentia que de outro modo soçobraria, isto é, despencaria em queda, daria a fragilidade do seu rosto ao irremediável golpe do  piso de mármore.

Sua cabeça girava, sua mente não se prendia a nada, nem mesmo aos detalhes berrantes da decoração daquela sala muito-bom-gosto-tocando-a-triste-e-exacerbado-ataque-à-sua-sutileza.

__Estava era virada do avesso!
Foi o que concluiu assim que conseguiu respirar pós-primeiro-trago-alívio-calma-reaflorado-princípio-de-sanidade. Aliás, e não muito a propósito da epifania presente, sempre sentiu que toda a sua dor ordinária e inexpugnável diminuía consideravelmente após o primeiro trago/deleite nicotina-alcatrão-4.700 mistérios de morte.

__ Seria aquela perturbação algo absurdo e asfixiante e puro como amor?!
Interrogou-se de olhos grudados no teto, enquanto engolia a seco um certo desespero irônico de quem, ao se perguntar, dá por si mesmo de cara com o irremediável da resposta.

E não foi que ela encontrou de chofre ali naquele instante a imagem-síntese mais adequada ao evidente da sua condição?! Numa palavra, ela sentiu que era, inelutavelmente, aquele mousse de maracujá que passou deveras do ponto!!

Sentiu-se tal qual a sobremesa descomposta, excessiva: doce e ao mesmo tempo amarga, flébil, inconstante e disforme, presa do próprio-intrínseco-viscoso vórtice

Sentiu-se um quase deleite que perdeu o ponto e estatelou-se ali a beira do arrefecer autoconsciente, do perder a forma sobre a mesa, do desmanchar-se entre talheres. Sentiu-se enjoativa e deliquescida, ali, a esperar em êxtase a miséria das moscas, e então ela percebeu que a glória de sua existência resumiria-se ao golpe de saber-se a mera e frágil matéria de um instante. 

Depois disso não atinou mais nada... os sentidos fugiram-lhe, não soube mais pensar em coisa alguma: olhou para a nesga de céu que lhe dava a providência pela janela entreaberta e respirou bem fundo enquanto concluía que aquilo tudo era tão excessivo e doce e amargo na boca que não poderia ser mesmo outra coisa senão amor.



0 comentários: