Espadins e Devaneios

22:53 Lauana Buana Fidêncio 2 Comments



Às vezes, caminhando pela rua, numa manhã fria como a de hoje, me lembro de que verdadeiramente gostaria de estar na Idade Média. De voltar para um tempo com o qual sinto ter uma conexão verdadeira.

Mas o que havia de tão especial assim, para mim, na Idade das Trevas? Talvés as trevas, gosto de sombras!

Bem, na verdade não tenho certeza. Todavia, sei que eu verdadeiramente queria ser um ferreiro medieval, ou algo assim. E não venham me dizer que eu não poderia ser um ferreiro, que no máximo e com muita sorte eu seria uma princesa triste a empalidecer numa torre, e obrigada a se sentir muito grata por isso, aliás.

Pois, eu poderia sim ser um ferreiro, ou a filha de um ferreiro que não tivesse tido filhos e frente à impossibilidade de passar os segredos do seu ofício a diante, me ensinasse os segredos da forja e da dobra do aço.

Mas, me perguntaríeis vós, por que um ferreiro e não uma princesa?! Oras, porque um ferreiro dominava um tipo de saber quase mágico e desempenhava uma função primordial naquele mundo de guerra e de frio e de pestes e brutalidades, ou porque eu poderia fazer facas, adagas, espadins, espadas, floretes e uma infinidade de instrumentos cortantes, e, em havendo necessidade, poderia enfiar minhas mágoas coração a dentro de um vil, sem pestanejar e com o direito ao duplo deleite de verificar o alcance do meu trabalho. E isso, creio eu, me parece infinitamente melhor que ser uma criatura sedentária, presa a uma rotina massacrante e a delírios de fugir para um ponto longínquo no tempo, por exemplo.






2 comentários:

maryllu disse...

também faço muito mais o tipo ferreiro medieval que... tsc tsc... princesa da torre... urgh...

maryllu disse...

Também faço muito mais o tipo ferreiro medieval que... tsc tsc... princesa da torre... urgh...