Um jardim com saúvas

12:30 Lauana Buana Fidêncio 6 Comments



Quero escrever um soneto!
Quero a tua inocência
Quero escrever um soneto
Em teu peito, sem pena,
Quero um bisturi afiadíssimo
E rimas interpoladas
Quero a dor clara e cantante
(desanestesiada...)

Quero uma dose de conhaque
E o teu mais secreto gemido
Eu quero o Fá sustenido
E o derradeiro deleite

Quero uma dose de tequila
Quero uma manhã de chuva
Quero a quase-eternidade
Dos seus olhos semi-acordados
Quero uma dúzia de tulipas
E um jardim com saúvas

Quero uma agulha incandescida
Marcando no olho esquerdo
O exato ponto onde tua silhueta
(num delicado bosquejo)
Devia debruçar-se à janela

Quero aquela dor coruscante
Rasgando a carne em estrela
Quero cravo da Índia e canela
Um lencinho de alcobaça
(e anti-séptico)

Quero um norte na vida
E uma promessa divina
Quero uma estrela úmida
E um pouco de bel canto
Quero um bandolim libertino
E doze cicatrizes de guerra

Quero escrever um soneto
__ Quero o espelho riscado de branco

Quero escrever um soneto
__ Quero sorvete de frutas vermelhas

Quero escrever um soneto
__ Quero mais condimentos

Quero escrever um soneto
__ Quero dois cubos de gelo

Quero escrever um soneto
__ Quero Marlboro light e bala de menta

Quero escrever um soneto
__ Quero uma libélula de asas douradas

Quero escrever um soneto
__ Quero um pêssego e duas ameixas amarelas

Quero escrever um soneto
__ Quero uma gravura de Lizárraga

Quero escrever um soneto
__ Quero algumas gotas de orvalho

Quero escrever um soneto
__ Quero manjericão e salada de batatas

Quero escrever um soneto
__ Quero mousse de goiaba

Quero escrever um soneto
__ Quero cair de todas as escadas

Quero escrever um soneto
__ Quero uma harmonia delicada

Quero escrever um soneto
__ Quero tuas omoplatas

Quero escrever um soneto
__ Quero um duelo de espadas

Quero escrever um soneto
__ Quero teus olhos desmilingüescendo

Quero escrever um soneto
__ Quero um beijo de Petrarca

Quero escrever um soneto
__ Quero o coreto da praça

Quero escrever um soneto
__ Quero ignorar física quântica

Quero escrever um soneto
__ Quero um daguerreotipo amor em preto e branco

Quero escrever um soneto
__ Quero a embriaguez mais despretensiosa

Quero escrever um soneto
__ Quero um feriado em dia de semana

Quero escrever um soneto
__ Quero dezesseis tradados de poética

Quero escrever um soneto
__ Quero andar de bicicleta na calçada

Quero escrever um soneto
__ Quero uma clara concisa incisiva direta resposta

Quero um final capaz de abolir
Aquelas enervantes reticências
Quero a infensa glória inocente
De naufragar minha própria fragata
Quero um final de final de tragédia
Uma estultice Romeu-e-Julieta

Eu quero um final que não seja
Tão frase-feita e água de cheiro
Quero um final que não seja
Assim tão fórmula pronta
Quero um final que rasgue
O véu do templo,
Quero um final que doa
Por dentro
.
   

6 comentários:

Velharia disse...

O fim realmente não é algo ligado a dor... seu fim ficou melhor, um maravilhoso poema.

Mim disse...

Talvez pior que sofrer
seja ser sem sentir
E dispor-se então
A idealizar a dor.

Pois sofrer sem ser
Qualquer um pode
Basta um empurrão
Partir um coração.

Dom Veronezi disse...

Eu quero te ler para sempre... ;) c'est nous!

깜둥이 disse...

http://youtu.be/AufWWR_WIf8
you gota message from heaven.

Velharia disse...

Desde 2011 sem escrever? Que PooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeemmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmLllllllllllllllllllllllaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaannnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

obebado disse...

Demais!