Outra conclusão sobre a dinâmica do movimento circular

11:35 Lauana Buana Fidêncio 0 Comments



(...)

__ Estou inclinada a concordar que nos criaram para a extrema e passiva infelicidade. A geração “Tristeza-de-Boi-de-Arado” ruminando em segredo seus verdadeiros anseios. Na hora do jantar em família as unhas bem aparadas e limpas, a camisa bem passada, os cabelos bem cortados e o riso daqueles bons dentes. Na hora do jantar em família a cara da nossa geração se esforça para convencer, quase dizendo: “Mamãe, eu não tenho vícios. Mamãe, eu não tenho pensamentos impublicáveis. Ah mamãe, eu não sou um abismo... ficarei aqui, ao teu lado, até o fim dos tempos.”

__ Sim... somos uma lástima!

__ E o que temos afinal?!

__ Temos, lá isso é, alguns vícios, fobias delicadas, amores parvos, mesquinharias das mais mesquinhas, pesadelos recorrentes e aquela nossa peculiar forma de relação com o tempo...

__ Grande coisa! Tudo tão típico, confuso, subcutâneo, de época... Tudo tão escuro e inextrincável... Tudo tão nada que chega a fazer pena... Tudo tão vertiginoso que chega a causar uma certa náusea...

__ Há todo tipo de atrativos na escuridão...

__ Há todo tipo de sonho nos outdoors!

__ Há muito pouco de verdade em cada gesto...

__ Há todavia uma lágrima sincera, um olhar que ainda procura o ponto de fuga do quadro, um arredio passo ainda, um esplêndido e pecaminoso esgar espreitando a brancura daquelas paredes...

__ Há todavia o imperativo maior de calar, de sentar-se à mesa, de rezar o Pai-nosso, de sempre pedir licença, de lavar bem as mãos, de sorrir em assentimento, de chegar sempre na hora marcada, de não responder aos mais velhos, de nunca cometer um pecado, de nunca roubar a prataria, de nunca quebrar a cristaleira, de nunca enlamear o tapete da sala, de nunca ir-se embora, de nunca crescer, de nunca aceitar que o nunca só existe mesmo é nos contos de fadas, de nunca admitir que o sempre só existe nas tremendas danações do Inferno...

__ Sim... há que se aceitar que nos criaram foi mesmo para uma abúlica e infensa infelicidade.

0 comentários: