Desprezo Tédio e Ternura I

21:34 Lauana Buana Fidêncio 1 Comments

O empenho há de ser
Constante...

Cortante um erro
Dilacerará
Todo o castelo
Todo o império
De pequenos gestos
Toda a delicadeza
Dos tropaicos
Ruirá à mais módica
Ousadia.

[E ainda assim ousarias?
Ousarias o reinvento
O atomismo
A vanguarda
O niilismo
Aquele intento
Ou desprezo por vós todos,
Oh senhores, da Academia?!]

O rasgar-se há de ser
Disciplina...

O matar-se há de ser
Método:
Matemática explanada
Em teoremas...

Uma teologia de fracos
Resume a glória
Do ofício?

Uma maquinaria de nadas
Urdirá algum dia
Uma só manufatura?

[Às escuras rasgarias
O ventre escuro da noite
Ou apenas chorarias?]

Às escuras andarás
Sobre os passos gastos
Dos mortos

Às escuras
Às turras:
Empenho e mágoa apenas,
Até que às favas
Hás de mandar
Também a tua pena...

1 comentários:

Velharia disse...

Mágoa possui empenho natural, trabalha-se mais nela do que em qualquer outra coisa.